Gramática Online: Classes Gramaticais – Conjunção



Seu objetivo: Entender o que são conjunções e compreender os seus tipos.

Para entender as conjunções você precisa entender alguns conceitos básicos de Sintaxe.

Conjunção: é a palavra que liga orações entre si.

Exemplo: “Eu gosto de brócolis e eu também gosto de alface”. A palavra “e” liga duas orações: a primeira é “eu gosto de brócolis” e a segunda é “eu também gosto de alface”. Portanto, a palavra “e” é uma conjunção.

Conjunção Coordenativa: é aquela que liga orações coordenadas, ou seja, orações que são independentes entre si. Exemplo: “Acordei e levantei da cama”. As conjunções coordenativas podem ser: aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas ou explicativas.

Aditiva: expressa a ideia de acréscimo ou de adição de eventos. Exemplos: e, nem, tampouco.

Adversativa: expressa oposição, contradição, adversidade. Exemplos: mas, porém, contudo, todavia, entretanto.

Alternativa: expressa uma ideia de alternância ou de opção. Exemplos: ou...ou, ora...ora, seja...seja, quer...quer.

Conclusiva: expressa ideia de conclusão. Exemplos: portanto, então, logo, assim.

Explicativa: mostra uma explicação. Exemplos: porque, pois, visto que, tendo em vista, dado que, uma vez que, porquanto, como, que.


Conjunção Subordinativa: é aquela que liga orações subordinadas, ou seja: uma oração (subordinada) depende da outra (principal). As conjunções subordinativas podem ser: causais, concessivas, condicionais, conformativas, temporais, consecutivas, finais, proporcionais, comparativas, integrantes.

Causal: a conjunção causal introduz a oração que explica a causa (o motivo, a razão) da ideia da oração principal.
Exemplo: “Como não havia estudado, João não foi bem na prova”. A conjunção “como” introduz a oração “não havia estudado”, que é o motivo de João não ter ido bem na prova (oração principal).
Outras conjunções causais: visto que, uma vez que, porquanto, já que, desde que.

Concessiva: a conjunção concessiva introduz a oração que expressa a ideia de que algum obstáculo não é capaz de impedir ou modificar a ideia da oração principal.
Exemplo: “Embora João não tenha estudado para a prova, ele conseguiu tirar uma boa nota”. A conjunção “embora” introduz uma oração que não altera nem impede a ideia da oração principal, ou seja: o fato de João não estudar (oração introduzida pela conjunção) não impediu que ele tirasse uma boa nota (oração principal).
Outras conjunções concessivas: ainda, apesar, mesmo que, por mais que, conquanto.

Condicional: a conjunção condicional expressa uma ideia de condição.
Exemplo: Se você não estudar, você vai tirar uma nota ruim”.
Outras conjunções condicionais: caso, salvo se, a não ser que, desde que, a menos que.

Conformativa: expressa conformidade.
Exemplo:Conforme eu disse, você foi mal na prova porque não estudou”.
Outras conjunções conformativas: segundo, consoante, como.

Temporal: a conjunção expressa tempo.
Exemplo: “Eu mal cheguei ao escritório e ela veio reclamar”.
Outras conjunções temporais: assim que, logo que, desde, apenas, quando, enquanto, depois que, todas as vezes que, sempre que.

Consecutiva: a conjunção consecutiva expressa uma consequência.
Exemplo: “Comeu tanto que passou mal”.
Outras conjunções consecutivas: de forma que, tal...que, tão...que, tanto...que, tamanho...que.

Final: a conjunção final expressa finalidade.
Exemplo: “Estou estudando para me sair bem na prova”.
Outras conjunções finais: a fim de, para que.

Proporcional: a conjunção proporcional expressa proporção.
Exemplo: “À medida que eu estudava, mais eu aprendia”.
Outras conjunções proporcionais: à proporção que, ao passo que, quanto mais...mais, quanto menos... menos, quanto menos... mais, quanto mais...menos.

Comparativa: a conjunção comparativa estabelece uma comparação.
Exemplo: “Mandarim é mais difícil do que inglês”.
Outras conjunções comparativas: como, assim como, tal que, tanto quanto, tal qual, tanto como, que nem.

Integrante: a conjunção integrante introduz orações subordinadas (que completam o sentido da oração principal), introduzindo orações que equivalem a substantivos. Portanto, um macete é pensar que as conjunções integrantes introduzem orações que podem ser substituídas pela palavra ISSO. Existem duas conjunções integrantes: SE e QUE.

Exemplo: “Espero que você viaje bem”. Podemos substituir a oração introduzida pela conjunção por ISSO. Fica assim: “Espero isso”. 

Assunto anterior: Preposição


Nenhum comentário:

Postar um comentário